data-ad-client="ca-pub-9371512119858190" data-ad-slot="5580438127" data-ad-format="link" data-full-width-responsive="true">

A emocionante e divertida trajetória de um fã do Therion

Publicado em 13/11/2010


Atenção: Todos os comentários no texto abaixo são de responsabilidade do seu autor e não necessariamente expressa a opinião do site Agenda Metal.

THERION
03 de outubro de 2010
Carioca Club - São Paulo/SP

Por: Luiz "Luigy" Felipe Correia Ribeiro


A emocionante e divertida trajetória de um fã do Therion

Não sei ao certo quando conheci o Therion, acho foi entre 99/00, naquela época considerava uma banda legal com músicas boas e outras chatinhas, mas com o tempo fui ficando fã da banda, principalmente na época do Lemuria / Sirius B, e com Sitra Ahra, a banda fechou uma trilogia sensacional, chupa KEPPERS!!! Ahhh... e acho Gothic Caballa ULTRAMENTE FANTÁSTICO apesar de muita gente torcer o nariz!

Não tenho a menor idéia de como começar o review desse espetáculo maravilhoso que foi o show do Therion, sério, até hoje ainda revivo os detalhes dessa apresentação e fico assistindo os vídeos que gravei no meu celular!!!

Bom, vamos lá! Domingão dia de eleição, após exercer meu direito democrático, fui direto pro show com o velho combo trem + metrô + busão e desci na frente do shopping Eldorado, como ainda estava cedo, resolvi passar no shopping pra sacar uma graninha (sabe como é amigos, sempre evito andar com muitas notas na Zona Leste) pra comer e comprar CD's caso tivesse uma banquinha no show. Quando estava vendo umas camisas na loja centauro, me deparo com uma enorme delegação do Boca Juniors na loja fazendo compras, e 75% eram de mulheres, infelizmente uma mais feia que a outra (tinha uma sósia do goleiro Burgos), depois que descobri que era o time feminino de futebol que veio disputar a Libertadores (chupa corinthians).

Já na frente do Carioca Clube que foi bem fácil de achar (Thank’s Google Street View) tinha uma movimentação considerável na porta e uma “pequena fila”. Comi um Dogão Pizza que nunca havia experimentado com queijo em cima do pão, muito foda e fui pra fila, isso eram umas 17:30. Os portões estavam programados para abrir às 18:00, mas isso só foi acontecer mais de 19:30, nesse meio tempo, muitos causos na fila, desfile dos mais variados tipos de Lordes e Condessas fãs de Therion, fiquei acompanhando a apuração pela band news, e ainda tinha um bêbado sensacional que andava quase a fila toda fazendo graça com umas latinhas e mandando filosofias, depois que começou a garoar ele tentou entrar em uma igreja evangélica que tinha em frente, depois voltou e disse que o pastor havia chamado a todos pra conversarem com Jesus antes de pecar no show, IDOLO!!!

Já dentro da casa, sem o ingresso para ficar de recordação, já que ele ficou retido na portaria (não que fosse grande coisa, um papelzinho de pão amarelado com uma foto xerocada e só), me ajeito do lado do palco e fico assistindo no telão os comentários da apuração e logo depois colocaram uma reprise do futebol italiano pra passar o tempo, nessa hora uma gordinha de Sorocaba puxou assunto, perguntando se na hora do Therion eu poderia levantá-la para que pudesse tirar fotos e tal, achei meio tensa a situação e acabei dizendo que se estivesse por ali tentaria ajudar sim.
Depois que o telão subiu, começou a rolar uma introdução e três gostosinhas entram no palco segurando candelabros e de repente surge no palco um sósia do Peavy Wagner na guitarra e vocal, um semi mago de RPG no baixo vestindo tipo uma túnica da morte da turma da mônica, vocal de apoio e o batera, esqueci o nome da banda de abertura, mas o show começou interessante com um Doom Metal básico. Resolvi dar uma volta na casa, ver camisetas (não tinha CDs), tomar um guaraná e tal, acabei me ajeitando no meio da galera, onde tinha um retardado narigudo xingando a banda de abertura toda hora, banda essa que o instituto data foda-se constatou que 5% estavam gostando 5% estavam detestando e 90% não estavam nem ai, clima de eleição!!!!
Depois de encerrarem o show com uma homenagem ao DIO tocando Heaven and Hell numa versão Doom, o telão reapareceu, mas desta vez com clipes de Hip Hop, a galera começou a criticar, e depois de 3 ou 4 musicas desligaram o telão, só ficando o som ambiente que era um metal melódico que não reconheci.

Tudo pronto para a entrada do Therion! Peguei meu celular pra filmar a entrada da banda e descubro que não tenho espaço no cartão de memória! Desesperadamente procurei algo para apagar, e a primeira coisa que eu vi foi a música "Rise of Tyrants" do Arch Enemy, foi pra vala sem dó, mas sem ressentimento Angela, você continua no meu coração!
E finalmente começa a Introdução de Sitra Ahra, que coisa fantástica, os membros do Therion foram entrando no palco um por vez: Dois guitarras, baixista, baterista e 4 vocalistas. Apesar de ser música nova, a galera cantou todinha de cabo a rabo! Depois foi só alegria, filé atrás de filé: Typhon (que tinha receio de ouvir sem o Mats no vocal, mas que acabou nem fazendo falta), Abraxas, Wine of Aluqah, Hellequin e Kali Yuga III do novo álbum também foram cantadas a exaustão, Perennial Sophia, Ginnungagap, Enter Vril-Ya, Clavicula Nox, nessa hora eu já estava ligando o foda-se para o fato de ter que atravessar a cidade domingo à noite pra voltar pra casa, de ter que trampar segunda de manhã, de quem diabos tinha sido eleito, de que tinha de pagar a conta de telefone, de que o São Paulo tava uma merda no brasileirão, tava nem aí para nada, o ambiente era maravilhoso e digo mais, durante Lemuria a vibe era tão positiva que se eu tivesse do lado da gordinha do começo, tinha rolado um caso de amor ali mesmo, amigos!!!

Lemuria com Thomas e Shaw cantando sentados no canto do palco foi épico, coisa que não seria tão legal se o palco fosse maior, aliás, o palco pequeno deu até um charme ao show, a galera estava bem ensaiada no troca troca de posições...

E seguiu com mais clássicos: Quetzacolt, Voyage of Gurdjieff, Mega Therion e meus deus, cover de Dies Irae, tema do Rugal em KOF 96, simplesmente sensacional! A banda pareceu curtir a noite apesar do cansaço de tocar três dias seguidos em três países diferentes, todos interagiram bastante com a galera, inclusive o argentino mandado um portunhol safado: "Vocês são fodas pra caralho!". E a Katarina Lilja? Meu Deus que mina sensacional, com um ar blasé gótico divino!

Ali por volta das 23:30 encerraram o show com Blood of Kingu, show épico, show divino, uma galera reclamou de várias coisas, do som, da casa, etc. etc. mas pra mim não interferiu em nada, foi ótimo do jeito que foi, mas eu tinha de correr, pois corria risco de virar abóbora e ficar na rua! Na bilheteria estava rolando uma discussão com uma galera querendo os ingressos de recordação, seguranças distribuindo flyers de show de pagode e outras bizarrices, aliás, falando em bizarrice, no show do Therion reparei que tinha uma figura juvenil vestido à la André Matos com um tipo de fraque e com camisa de babados na gola e na manga que ficava “regendo a orquestra” com as mãos, muito engraçado, mas enfim depois de muita correria mais um combo busão + metro + trem, consegui chegar no Itaim Paulista às 02:00 da matina e trabalhei na segunda com um BELO sorriso no rosto!